Aikido Journal Home » Interviews » Katsuaki Asai Aiki News Japan

Katsuaki Asai

por Stanley Pranin

Aiki News #94 (Winter/Spring 1993)

Traduzido por José Antonio Sousa

O Shihan Katsuaki Asai foi enviado à Alemanha pelo Aikikai Hombu Dojo no alto de seus 23 anos. Em 1967 ele estabeleceu o Aikikai na Alemanha e desde então tem se devotado a difundir o aikido em seu país de adoção. Aqui, Shihan Asai nos dá uma noção de seus esforços durante os últimos 26 anos que conduziu para o nascimento e desenvolvimento do Aikikai da Alemanha.

Matriculando-se no Aikikai Hombu Dojo aos 13 anos.

Quando o Sr. se matriculou no Aikikai Hombu Dojo?

Foi na época em que eu cursava o ensino médio. Me matriculei em 31 de março de 1955 e meu número de registro no Aikikai é o 402.

Como o Sr. entrou no dojo sendo tão novo?

Tudo aconteceu porque perdi uma luta! Eu era muito pequeno naquela época. Quando me matriculei tinha 13 anos e apenas 1,40 m de altura. Pensei que tinha que aprender algo, a fim de ser capaz de derrotar um adversário com meu corpo pequeno. Naquela época, aconteceu de eu morar diagonalmente ao Hombu dojo e, assim, as crianças da vizinhança e eu, ficávamos sobre caixotes de maçã olhando para dentro do dojo, por cima dos arbustos que rodeavam o local.

Imagino que o Sr. viu Sensei Morihei Ueshiba.

Sim. Por que víamos O-Sensei derrubar pessoas ao seu redor, como Sensei Hiroshi Tada, é que comentávamos, entre nós, como ele era um homem forte.

Quais suas impressões sobre Sensei Ueshiba?

Impressões? Bem, essa é uma questão difícil. Eu era uma criança e não conhecia a fama de um professor chamado Sensei Ueshiba.

Quais eram os estudantes líderes no Aikikai Hombu Dojo naqueles dias?

Listando pela ordem de matrícula, havia o Sr. Nobuyoshi Tamura, Sr. Nishiuchi, Sr Yoshio Kuroiwa, eu, o Sr. Masamichi Noro [fundador do “Ki no Michi” com sede em Paris, França] e o Sr. Yasuo Kobayashi. Pessoas como Sr. Yoshimitsu Yamada [Aikikai de Nova Iorque], Sr. Kazuo Chiba [Aikikai de San Diego], Sr. Seiichi Sugano [Aikikai de Nova Iorque] e Sr. Mitsunari Kanai [Aikikai da Nova Inglaterra], matriculados bem depois. Por volta de 1959, Mitsugi Saotome [fundador das Escolas de Aikido de Ueshiba nos EUA.] veio para o Hombu Dojo proveniente do Kuwamori Dojo. Além dos uchideshi, havia pessoas como o Sr. Ikuo Iimura, Sr. Kubodera, Sr. Matoba, que recebeu um bonito ukemi, Sr. Sakai e Sr. Hiroshi Kato.

Qual era seu professor favorito no Hombu Dojo?

Eu não usaria a palavra “favorito”, mas, quando eu era derrubado por Sensei Tada me sentia muito bem. Ele me projetava longe de uma maneira dinâmica. Quando ele aplicava um kotegaeshi, ele me projetava e eu flutuava no ar, e a sensação era boa.

Penso que, pessoas que praticam o aikido podem entender. Há pessoas que quando lhe projetam a sensação é boa e outras que lhe projetam e a sensação é muito ruim.

Houve outras pessoas que deixaram uma forte impressão no Sr.?

Sensei Koichi Tohei [fundador do Aikido Shinshin Toitsu] foi outra pessoa. Aprendi com Sensei Tohei como explicar as coisas. A maneira de Sensei Tohei fazer as coisas é de fácil entendimento para os europeus, porque ele veio ensinar na América. Eu uso o método de explanação de Sensei Tohei em minhas próprias aulas.

Sensei, o Sr. foi de fato um uchideshi [aluno interno]?

Não. Tenho uma impressão muito ruim dos uchideshi daquela época. Pelo fato de morar em frente ao dojo e freqüentá-lo todos os dias, eu podia ver que, não apenas eles treinavam como loucos, mas que eram, de fato, diferentes. Pelo fato de haver uma grande diferença entre aquelas pessoas que estavam próximas a O-Sensei, como uchideshi, e aquelas que freqüentavam o dojo, eu podia distinguir entre os que eram uchideshi e aqueles que eram de fora.

Quem eram os uchideshi naquela época?

Tamura, Nishiuchi e Noro. E mais tarde havia Yamada, Chiba, Sugano e Kanai.

Treinamento diário

Sensei, como era seu treinamento naqueles dias?

Eu treinava todo os dias sem falhar. No começo eu treinava na aula das 6h e 30m, ia para casa, trocava de roupa e ia para a escola. Continuei nessa rotina por cerca de seis meses, então, comecei a freqüentar as aulas noturnas. O treinamento naqueles dias era diferente dos dias atuais e não havia muitas pessoas nas aulas.

Sabe-se que O-Sensei dava palestras sobre assuntos relacionados ao Shinto, antes de falar sobre técnicas.

Naquela época, eu era um discípulo muito displicente. Nas manhãs de inverno O-Sensei chegava a falar por cerca de 40 a 50 minutos, o dorso dos meus pés ficavam brancos e perdia toda a sensibilidade em minhas pernas, não fazia diferença o quanto eu esfregasse. Pensava comigo mesmo: “Espero que esse velho ande logo e acabe essa conversa” e “O que é que tanto ele fala sobre esses assuntos”? Eu só podia rezar para que ele parasse logo de falar! Tudo bem em continuar daquele jeito enquanto eu estava no Japão, porque O-Sensei estava lá, mas quando fui para a Alemanha, isso se tornou um problema. Por ter ouvido O-Sensei falar durante dez anos, tenho, em minha mente, uma fita gravada do que ele falou. As pessoas me perguntam o que o fundador falou sobre determinadas coisas e eu fico indagando o que O-Sensei queria dizer. Ensino para meus alunos, apenas aquelas coisas que entendi.

Partida para a Alemanha

Sensei, quando o Sr. foi para a Alemanha?

Em 1965, quando eu tinha 23 anos de idade.

Como aconteceu do Sr. ser mandado a Alemanha?

De fato, eu não planejava ir para a Alemanha. Havia uma pessoa que estava praticando aikido – não acho que fosse ligado ao Hombu Dojo – e ele simplesmente tinha uma grande atração pela Alemanha. Ele queria ir para lá e propôs a idéia ao Doshu da época. O clube de judô da cidade de Münster responsabilizou-se pelos preparativos. Entretanto, após essa pessoa ter preparado os documentos para obter seu visto, as coisas mudaram e ele não pode ir. Devido a esse fato, o Doshu estava em um dilema e me pediu para ir como seu representante.

O Sr. aceitou imediatamente ir para a Alemanha?

Não. A princípio, perguntei se não havia outra pessoa que pudesse ir. Entretanto, era uma época em que muitas pessoas do Hombu Dojo foram para o exterior e o Doshu disse que, uma vez que estavam com falta de mão-de-obra no Hombu Dojo, ele não podia enviar mais nenhum uchideshi ao exterior. Por isso, pessoas como Noro foram para a França, Sensei Tada para a Itália, Sensei Nobuyoshi Tamura para Marselha, Yoshimitsu Yamada mandado para Nova Iorque e Seiichi Sugano enviado para a Austrália. Como eu não estava preparado para responder imediatamente, lhe pedi que esperasse. Um mês depois eu disse-lhe que iria.

Parece que o Sr. estava trabalhando numa empresa naquela época.

Sim, após minha graduação na universidade, entrei para a companhia. Certa vez, Sensei Tamura, me disse para ir ao seu dojo na França, após minha formatura, mas pensei que deveria viver a vida de um assalariado pensando no futuro.

Problemas com a Federação Alemã de Judô

Sensei, o Sr. poderia descrever o que aconteceu após sua chegada na Alemanha para ensinar aikido?

Em 17 de fevereiro de 1966, os membros da Federação Alemã de Judô me disseram o seguinte: “Considerando-se que a Federação Alemã de Judô é uma grande organização, nós o ajudaremos a difundir sua arte, se o aikido se unir ao nosso grupo. Asai, se você trabalhar metade do ano em nome da Federação de Judô, você pode operar livremente a outra metade do ano. Entretanto, você deverá ensinar somente as técnicas e não se envolver em exames ou questões administrativas.”

Recusei a proposta deles, porque na Alemanha daquela época não havia professores de aikido além de mim e eu havia sido oficialmente enviado pelo Hombu Dojo. Eu, absolutamente, não podia trabalhar em conjunto com a Federação Alemã de Judô. Em julho de 1966 fui convidado pela Federação Alemã de Judô para dar um seminário de uma semana na cidade de Travemunde. Aquela foi a única ocasião em que recebi dinheiro da Federação Alemã de Judô.

Cerca de quantas pessoas pertenciam à Federação Alemã de Judô naquela época?

Acredito que havia em torno de 10.000 membros. Lá estava eu, um jovem de 24 anos, dizendo que não podia trabalhar com eles e, assim, tentaram me expulsar da Alemanha.

Eles estavam furiosos e vieram com vários esquemas. Como resultado, fui excluído de todos os clubes de judô. Naqueles dias, somente o pessoal dos clubes de judô é que tinham tatames, dessa forma, isso foi um problema para mim. Se você está fazendo caratê, pode praticar mesmo sem um tatame, mas fica um pouco difícil treinar sem tatame, se você está envolvido com iniciantes de aikido.

Criação do Aikikai da Alemanha

De que maneira foi criado o Aikikai da Alemanha?

Como eu não podia trabalhar com a Federação Alemã de Judô, pensei que seria de bom tom criar uma organização de aikido independente. Como resultado, abri o Aikikai da Alemanha, juntamente com o Dr. Leisinger e outros.

Essas pessoas já haviam praticado aikido antes?

Não, de forma alguma. Eles haviam praticado judô e estavam interessados no aikido, assim, começaram a treinar no meu dojo, quando cheguei em Münster.

Quando chegou à Alemanha, o Sr. tinha algum conhecimento da língua alemã?

Não. Fui para a Alemanha e praticamente o que sabia era dizer “Obrigado!”. Cheguei na Alemanha em outubro de 1965 e comecei a ensinar aikido na Universidade de Münster. Fui indicado para estudar alemão em um curso para estrangeiros, na universidade, uma vez que era gratuito. Estudei o mais que pude naquele curso, de abril até meados de junho. Então, acompanhei Sensei Tada à Itália por cerca de duas semanas e durante esse tempo eles terminaram o livro um! Após isso, achei muito difícil e desisti. Assim, parei meu curso de alemão.

Mas agora o Sr. fala alemão fluentemente.

Entendo normalmente a conversação diária, mas meu alemão gramatical é abominável e tenho vergonha dele.

Método de ensino

Sensei, por favor nos fale de seu método de ensino.

No meu dojo, o treino é divido em três categorias: o curso para iniciantes, o curso geral e o curso de treinamento avançado. Na aula para iniciantes, os estudantes não fazem quedas, exceto para o ukemi simples de costas. Primeiramente, preciso que eles se familiarizem com o movimento e, então, ensino-lhes como estender seus músculos, a fim de que se sintam bem.

Aqueles que vêm para o aikido depois de terem praticado caratê e judô, sempre olham para o aikido do ponto de vista dessas duas artes. Por exemplo, se os mantenho treinando na aula de iniciantes, eles se queixam de que é muito lento e desinteressante. Eu preciso mandá-los imediatamente para o próximo curso e praticar vigorosamente.

Como é organizado seu horário de aulas?

A aula dos iniciantes ocorre de seis as sete da noite; a aula geral de sete as oito e o curso avançado de oito as nove. As pessoas estão livres para participar em qualquer aula que queiram. Não se pode fazer isso no Japão, porque as pessoas não têm muito tempo livre. Na minha escola, os iniciantes e alunos avançados estão misturados; por essa razão, nenhum aluno que treina na aula de iniciante, mesmo que seja aluno avançado, treina muito pesado.

(The full article is available for subscribers.)

Subscription Required

To read this article in its entirety please login below or if you are not a subscriber click here to subscribe.

Username:
Password:
Remember my login information.