Aikido Journal Home » Articles » Koretoshi Maruyama Sensei Aiki News Japan

Koretoshi Maruyama Sensei

Available Languages:

por Clement Choo

Published Online

Traduzido por Christiaan Oyens

Koretoshi Maruyama
Koretoshi Maruyama Sensei nasceu em Nihonbashi, Tokyo, no dia 5 de Outubro de 1936. Ele se formou em economia na Univesidade de Keio em Março de 1956 foi trabalhar na empresa de seu pai, Maruyama Manufacturing. Ele se interessou por artes marciais ainda no ensino intermediário na escola. Incentivado pelo seu pai, ele treinou Judo e adquiriu a sua faixa preta. Mais uma vez instigado pelo seu pai, ele ingressou para a Escola Profissional Rikidozan de Luta Greco-Romana, como também treinou boxe e levantamento de pesos, enquanto continuava seu treinamento de Judo na Kodokan.

Na primavera do seu terceiro ano de faculdade, ele começou a ter dúvidas sobre as artes do Judo, a luta Greco-Romana e o boxe, que enfatizavam apenas a disputa de forças. Neste momento ele se inscreveu no Aikikai, como também iniciou os seus treinos no Clube de Aikido da Universidade de Keio. Foi ali que ele percebeu no Aikido tudo o que ele procurara durante tantos anos, uma arte marcial que não dependia de força bruta e que ensinava uma atitude mental correta. Depois de sua formatura, ele continuou treinando Aikido enquanto trabalhava na empresa da família. Em 1967, ele delegou suas responsabilidades na empresa para que pudesse se tornar um professor de Aikido em tempo integral, sob a supervisão de Morihei Ueshiba, fundador do Aikido.

Em 1971, ele foi passar 4 meses no Havaí, para ensinar Aikido em cada uma das ilhas. Um ano mais tarde ele deixou o Aikikai para se tornar o instrutor chefe do Ki no Kenkyukai (Ki Society), fundado em Setembro de 1971 por Koichi Tohei Sensei, que conferiu a Maruyama Sensei o grau de 8º dan.

Em 1973, ele foi o professor responsável pelas aulas no Havaí e pelos próximos 10 anos ensinou os princípios de ki na Universidade do Havaí em Hilo, como também o Departamento de Pesquisa em Educação Física na Universiade de Keio no Japão. Em 1977, ele iniciou os seus estudos de cura através do ki e sobre o uso de ki no cotidiano com Haruchika Noguchi Sensei. Na mesma época, ele estudou a psicologia do Zen como o monge Zen Shogen Munou, com quem aprendeu a usar a mente de forma positiva.

Foi nesta época que ele também viajou extensivamente para o Havaí, vários estados na América, Austrália, Nova Zelândia, Singapura, Inglaterra, Itália e outros paises da Europa, ensinando o Aikido e os princípios de ki, eventualmente se tornando o presidente do Ki no Kenkyukai em 1990. Porém, ele começou a ter reservas sobre a direção e diretrizes do Ki Society e pediu demissão do seu cargo em 29 de Julho de1991. A partir daquele momento ele passou 10 anos num templo na prefeitura de Saitama, estudando filosofia e praticando o conceito ‘Você é fundamentalmente Mente.’ Ele deixou o templo no dia 9 de Outubro de 2001 ao receber a permissão do monge do templo para ele estabelecer o Aikido Yuishinkai no dia 9 de Maio de 1996, que ele continua desenvolvendo até o presente.

(Extraído do do Manual do Aluno do Aikido Yuishinkai)

Quais são as suas primeiras lembranças do Aikido? Qual foi a lição mais importante que aprendeu com O-Sensei?

Treinei muitas artes marciais, especialmente o Judo. Estas artes envolviam muitas projeções e lutas. Pratiquei o Judo para me tornar forte. Freqüentei muitas aulas na Kodokan, mas senti as limitações do Judo. Naquela época, a pessoa mais pesada era o campeão de Judo, mas eu apenas pesava uns 60 kg. Após uma das aulas, fui a uma livraria onde li um livro de Aikido escrito por Kisshomaru Ueshiba. Ao folhear este livro, impressionei-me com a clareza dos olhos de O-Sensei. Também me senti atraído pelo fato de não existirem competições no Aikido. Mesmo que tivesse a aparência de um jogo, resolvi treinar Aikido.

No Japão, estudar numa universidade leva quatro anos, eu estava no terceiro ano de estudo quando fui ao Hombu dojo. A data era 26 de Novembro. Ao chegar, encontrei vários alunos da Universidade de Keio! Naqueles tempos não existia um dojo na universidade, portanto eles tinham que ir ao dojo da Aikikai para treinar. Foi uma coincidência e tanto, já que a brecha que tínhamos para treinar na universidade era de 3-4 da tarde e eu só chegara ao Aikikai lá pelas 4-5 da tarde! Eu não os conhecia, mas eles sabiam quem eu era. A razão disto é que eu tinha criado um clube de quadrinhos na universidade um ano antes e tinha feito uma participação num programa de televisão por causa disto. Tohei Sensei tinha sido o instrutor na Universidade de Keio, mas ele teve que abrir mão dos treinos para ir ao Havaí.

Em 1967, depois de me tornar um instrutor em tempo integral, Ueshiba Sensei me aproveitava como seu uke . Como deshi (aluno), era importante receber ukemi. Um deshi não sabia receber ukemi de O-Sensei e caia com um estrondo. Eu já sabia que Ueshiba Sensei usava ki e pensava, “Como posso receber ukemi de O-Sensei?” Foi então que decidi estender o meu ki para ele. Ele me disse, “Venha Maruyama!”, e eu o ataquei. Depois de receber ukemi dele, Ueshiba Sensei me olhou e disse, “Ótimo ukemi!” Ele depois me perguntou qual era a minha graduação e eu disse que era 5º dan. Ele me concedeu o 6º dan e me disse para ir a seu escritório para receber o certificado! Eu lhe agradeci, mas nunca fui pegar o meu certificado. De qualquer maneira, aprendi uma lição importante, “Estenda seu ki para o seu oponente!”.

Como é que o Aikido mudou a sua vida?

Ao aprender a estender o meu ki, eu também aprendi a permanecer calmo. Este estado mudou a minha vida.

Como vê o futuro do Aikido?

Depois da morte de O-Sensei, a segregação tomou conta do mundo do Aikido. Algumas escolas de Aikido têm introduzido a competição. No Japão antigo, existiram muitos espadachins famosos. Um deles era Kami-izumi Isenokami da Shinkage ryu (Escola da Nova Sombra). O-Sensei estudou a Shinkage ryu entre outras tantas artes marciais. Naquele tempo, os espadachins praticavam apenas kata e não havia competições. Eles praticavam um kata por duas horas ou mais.

O Aikido tem kata, pegue, por exemplo, o Shomenuchi Kokyunage. Hoje em dia, nós praticamos uma técnica durante 5-10 minutos antes de mudar. Os espadachins lutavam sem sofrerem ferimentos. Porém, se um deles lutava 60 vezes, isto significava que 60 pessoas morriam – apenas pela prática dos kata.

No Japão, estou ensinando ki a um instrutor de Karate. No ginásio público onde ensino, metade do espaço é ocupado pela minha aula enquanto a outra metade é ocupada pela sua. Estou ensinando aos seus alunos como utilizarem ki no Karate. As minhas aulas são de 7-8:30 da noite enquanto as aulas de Karate acontecem entre 8-9:00 da noite. Durante os 30 minutos que as nossas aulas coincidem, as turmas praticam juntas técnicas de respiração e outros exercícios trabalhando o ki.

Este instrutor me apresentou outro instrutor de Karate que me contou uma história interessante. Ele me deu um relato sobre uma turma de crianças de idades entre 6 e 12 anos que treinava apenas kata. Elas nunca tinham participado de competições. Porém, quando eventualmente entraram para uma competição, estas crianças que treinavam apenas os kata ganharam. A prática dos kata é muito importante.

O-Sensei me disse que mesmo que eu soubesse as técnicas, eu precisava receber ukemi. “Não resista! Receba ukemi!”, ele dizia. Nós devemos voltar aos ensinamentos de O-Sensei.

Quais são as influências mais importantes no seu Aikido? Durante o período que passou no templo, como é que suas meditações o ajudaram a desenvolver o conceito de “Você é fundamentalmente Mente”?

Ki é muito importante. Thomas Edison, o inventor Americano disse que o universo é cheio de eletricidade. Os relâmpagos aparentemente surgem do nada, mas o potencial está sempre ali. Da mesma forma, ki é como eletricidade. Tudo é composto de moléculas que consistem em partículas menores como os átomos. Se continuarmos infinitamente a subdividir estas partículas, jamais chegaremos a zero, já que você não pode fazer algo de nada.

Na filosofia oriental, ki é definido como uma aglomeração de um sem número de pequenas coisas. Tudo é feito de ki. Quando diferente ki se reúne, sois podem ser criados. Quando estes sois morrem, eles retornam ao ki que os criou. A mente é muito importante já que é muito similar a um gerador elétrico. A mente nos permite acessar o ki e usá-lo.

Eu tinha lido os ensinamentos de Shogen Muno, um praticante do Zen, e em seus livros, ele fala sobre “Mente que faz o seu futuro”. Uma mente positiva pode surtir um grande efeito na vida de uma pessoa.

Kan So (visualização positiva) possibilita que qualquer um crie efeitos positivos em sua vida. Um dos meus instrutores é a Tayeko Yamada, uma dona de casa com três filhos. Ela jamais tinha entrado num avião ou viajado para um outro país. Eu sugeri que ela se imaginasse visitando um outro país durante uns cinco minutos por dia. Porém, ela tinha enorme dificuldade em fazer isto, então eu levei alguns folhetos de viagem para assisti-la em seu processo de visualização. Isto ocorreu em Dezembro de 2001. Em Fevereiro de 2002, Michael Williams Sensei da Austrália me telefonou convidando-me a dar um seminário e estendeu o seu convite a algum instrutor que eu quisesse levar comigo. Em Setembro daquele ano, cheguei à Austrália, junto com a minha esposa e Tayeko Yamada.

Eu também, desejava visitar o Havaí. Depois de praticar kan por tantos meses, recebi um telefonema de Donald Enoki que me convidou a passar uma semana por lá. Desta vez não haveria tempo para treinar, portanto deixei o meu keikogi no Japão!

O ‘Yuishin’ em Yuishinkai Aikido significa “sou a própria mente”. Durante a minha estadia no templo, eu meditei em ser “um” (nada). Eu constatei que o “agora” é muito importante, portanto formei o conceito de “agora esteja aqui”.

Nossas mentes têm partes conscientes e inconscientes. Entre estas duas partes existe um filtro. Se este filtro estiver sujo, sejam lá quais forem os bons pensamentos que venham a ocorrer na nossa consciência, se poluirão quando passarem para o inconsciente. Uma mente positiva mantém o filtro limpo.

Poderia nos falar um pouco mais sobre a sua filosofia de que “Palavras têm seu próprio poder”?

O poder da palavra falada foi reconhecido no Japão antigo como Kotodama, ou palavra espírito. Dizer uma palavra é encorajá-la a tornar-se realidade. Sua energia de vida responde a sons e pensamentos, tal como expressados na palavra dita. Quando você preenche o seu dia a dia com pensamentos e palavras positivas, a sua vida é abastecida com o poder do ki. Desta forma, você pode se manter fisicamente e mentalmente sadio, além de exercer uma influencia positiva nos outros também. As palavras têm poder de verdade e podem produzir resultados práticos em sua vida.

Existiu uma vez uma menina que era pobre, porém bonita. Ela teve uma vida dura, pois seus pais morreram quando ela era ainda muito jovem. Ela casou com um homem rico, mas continuou tendo uma mente muito negativa. Mais tarde, seu marido morreu num acidente de carro e ela perdeu todo o dinheiro além de sua carreira profissional. Ela morreu muito jovem. Mesmo que boas coisas tenham acontecido com ela, a mente dela, repleta de “mas isso, mas aquilo” embaçava suas idéias.

Como é que as suas experiências ensinando Aikido em diversos países o ajudaram a estabelecer o Aikido Yuishinkai? Como é que o seu ensino do Aikido evoluiu ao longo dos anos? O que pensa sobre o assunto de não usar força na prática do Aikido?

Eu gostaria de espalhar o kan em todo o mundo, já que palavras positivas levam a uma mente positiva que poderá ditar a sua vida.

Eu tenho usado o trabalho de pés usado no estilo de esgrima do Shinkage ryu para as técnicas ensinadas no Aikido Yuishinkai. Este trabalho de pés é conhecido como Suigetsu-no-ashi (pé sombra lua). Isto permite que nage insira seu pé dentro do espaço ma-ai, sem a menor indicação de seu movimento na parte superior do corpo. Isto permite a nage uma enorme vantagem.

Ao assistir um documentário sobre vida selvagem, fiquei inspirado com uma imagem de uma lagartixa correndo pela superfície de um lago. É claro que seres humanos não podem correr assim, mas isto me possibilitou de criar os Tokage-no-ashi (pés de lagarto). A vantagem de usar isto se percebe no fato de que os dois ou três passos pequenos que nage dá são mais rápidos que o passo simples que uke deve fazer ao atacar.

O uke normalmente não repara em nenhum dos dois trabalhos de pés. Ao serem usados juntos, o ma-ai é encurtado e uma técnica pode ser executada com facilidade.

Os espadachins do antigo Japão nunca pulavam ou torciam seus corpos ao praticarem seus katas, muito menos quando estavam lutando. Eu reparei nisto em Ueshiba Sensei. Ele nunca torcia seu corpo ou pulava ao executar uma técnica. Ele apenas caminhava normalmente. Se você observar atentamente seus movimentos captados em filme, você poderá observar isto.

O que pensa sobre a linha de centro no Aikido?

Imagine que existe uma haste que vai do topo da cabeça, atravessando a espinha, e emerge no fundo da pélvis. Isto é o sei-chu-sen, o centro de linha do corpo, que é também considerado um centro espiritual. Para ajudar os meus alunos a manterem uma linha de centro, eu lhes peço para visualizarem uma parede muito fina que corre pelas suas linhas de centro, dividindo seus corpos em metades; a metade direita e a metade esquerda. Ao caminharem, eles devem deslizar as partes internas das pernas nas linhas correspondentes desta parede.

Poderia nos contar um pouco mais sobre os aspectos de cura do Aikido Yuishinkai?

Eu aprendi o Yuki (cura através do ki) com Haruchika Noguchi, que me disse, “O ato de colocar as mãos sobre o corpo como terapia de cura não é algo inventado pelo homem; e sim, um método instintivo de tratamento”.

Noguchi disse que quando os homens começaram a usar seus cérebros, e como seu modo de viver prejudicou o seu estado selvagem original, esta habilidade se tornou frágil e seguindo o exemplo de cães e cervos, eles aprenderam a mastigar cascas e raízes de plantas, portanto eles aprenderam a se tratar com substancias medicinais.

“Não importa a habilidade que uma pessoa use para se proteger de coisas externas, não podemos considerá-la forte até que ela conquiste o seu vigor através de seu próprio poder,” disse Noguchi. “Pessoas que venham a usar o método Yuki, não devem usá-lo como um substituto para remédios. Deve apenas ser usado para pessoas que são genuinamente fortes.”

“Em primeiro lugar, é importante praticar, no seu dia a dia, concentrando o seu ki nas palmas das suas mãos ao juntá-las e imaginar que você esta inspirando e expirando através delas; gradativamente, torne a sua respiração mais profunda para que pareça que você está respirando através de suas palmas até a parte inferior de suas espinha, e expirando assim também… Yuki não é usado para curar doenças, ele é praticado para que as condições do corpo estejam num estado em que as doenças se curem instintivamente.”

Quando você possui uma mente clara e um ki jovial, você se sentirá saudável. Como Noguchi diz, “a única forma de permanecer saudável é vivendo de maneira exuberante”.

“Aikido sem fronteiras” é uma das filosofias do Aikido Yuishinkai. Poderia elaborar um pouco sobre a importância disto?

Como disse antes, devemos retornar ao O-Sensei. No prefácio do Manual do Aluno do Aikido Yuishinkai, eu escrevi, “Todo rio tem um nome. Porém, os nomes deixam de existir quando estes rios escoam num grande oceano. Aikido tem diversos estilos, muitos nomes, mas Aikido é Aikido. É a minha expectativa e esperança que, como diversos rios, eles fluam juntos e venham a se unir em um só”.

O que pensa sobre o uso do bokken e o jo no Aikido?

Quando você estende o seu ki através de seu bokken e seu jo, eles “reluzem”. Eu dei um bokken para um dos meus alunos. Eu usava este bokken regularmente, portanto ele estava “claro e brilhante”. Porém, quando mais tarde fui visitar este meu aluno, percebi que o bokken estava “opaco” já que ele não estava treinando com ele. O bokken e o jo irão ajudá-lo a melhor focar o seu ki.

Como membro de uma geração que conheceu e praticou com O-Sensei, qual é o maior conselho que o senhor acha que um professor pode dar para seu aluno?

Não lute. Use ki. Não resista. Receba ukemi.

(Esta entrevista foi feita no dia primeiro de Setembro, 2003, durante um seminário ministrado por Koretoshi Maruyama Sensei em Singapura. Para obter mais informações sobre seminários, por favor, visitem o site da organização: www.aikidoyuishinkai.com ou entrem em contato por e-mail, info@aikidoyuishinkai.com)